Blog

24 abr 2014

Que tal morar e trabalhar num contêiner? E levar a casa ao se mudar?

Quando teve de procurar um novo lar, arquiteta apostou em uma solução nada convencional, porém rápida, econômica e, ainda por cima, portátil: um par de contêineres.

Autora de projetos comerciais que se valem do mesmo recurso, a arquiteta Carla Dadazio de Valinhos, SP, conhece bem as vantagens da utilização dos compartimentos de transporte de carga. Além de mais ágil, a obra chega a ser 30% mais barata do que uma convencional. Requer, no entanto, o aval da prefeitura, como qualquer outra. E, depois de pronta, a construção fica sujeita a todas as tributações enquanto estiver ocupando o terreno – neste caso, trata-se de um espaço destinado a empreendimentos temporários, como quiosques e lojas do tipo pop-up. Esta alternativa traz ainda outro importante benefício: a facilidade para desmontar e transportar toda a estrutura para um novo endereço. Basta remover vidros e louças – o restante, afinal, já vive encaixotado!

1

Quatro pontos de apoio sustentam cada módulo. O de cima fica suspenso por vigas metálicas, feitas por um serralheiro e dimensionadas para suportar uma carga maior que a prevista no cálculo estrutural. Para contrapor ao visual pesado, os contêineres ganharam cores modernas: ipê roxo (ref. e088) para o inferior e pé de serra (ref. p326) para o superior, ambas da suvinil. Já para o topo do segundo andar, a eleita foi a tinta branca, que reflete a luz do sol e, assim, ajuda a trazer conforto térmico. Projeto de Carla Dadazio.

2

Construído a partir da reciclagem de várias espécies de madeira, um deque contorna o primeiro andar. “Quando tiver de ser retirado, todo esse material poderá ser utilizado outra vez”, ressalta a arquiteta Carla Dadazio. Outros elementos recicláveis se integram ao projeto, a exemplo do piso intertravado, que permite a remoção dos blocos sem quebra-quebra, e do muro de tijolos ecológicos fixados com cola branca. Só no caso deste, haverá perda de 30% na desmontagem, referente aos trechos de alvenaria.

Fonte: Casa Abril

Faça seu comentário

Voltar